Contato

67.99262-7640

Endereço

R. Enoch Vieira de Almeida, 125 - Vila Célia - Campo Grande/MS

O perfil do novo consumidor de carne - Do pasto ao garfo | Seção – Foco no Consumidor |

*Cris Rabaioli

O agronegócio vem sendo alvo da opinião pública, que em seu sentido íntegro é: “o somatório das opiniões pessoais da maioria dos cidadãos que compõem uma sociedade”.

E essas opiniões podem ser construtivas ou destrutivas. No caso específico da pecuária temos observado que a conscientização sobre a preservação do meio ambiente é um exemplo. Temas como "segunda sem carne", flexitarianismo, etc ecoam em rodas de conversas de amigos e ao redor das mesas de churrasco, inclusive.

Mesmo que para alguns esses temas beirem a ideologia, considero um ponto de atenção. Acredito que os negócios que tem o cliente como centro de qualquer estratégia devem levar isso em consideração, tendo em vista que estão fazendo a diferença na hora da escolha do produto.

Façamos um breve resgate da história para chegarmos ao perfil de consumo de carne moderno.

GRISKEVICIUS &  KENRICK adaptado (2013) abordam as evidências de que o comportamento de nossos ancestrais continua presente no mundo moderno, ainda que de forma inconsciente:

  1. evitar a doença (manter-se saudável);

  2. fazer amigos, com objetivo de aceitação social e inclusão em um grupo, buscando produtos para se conectar aos demais;

  3. alcançar status (ganhar e manter respeito e prestígio), destacando-se com produtos exclusivos;

  4. cuidar da família, na busca de produtos que forneçam nutrição (alimento) e confiança.


Ao relacionar o comportamento do “novo consumidor” ao perfil de consumo dos nossos ancestrais lê-se claramente os motivos que cercam estes hábitos: a saudabilidade, origem, história, comércio local, farm to table,  etc estão cada vez mais fortes na escolha do consumidor moderno.

E é nesse caminho que acredito que o mercado de consumo de carnes no mundo vai se consolidar.

Segundo estudo realizado pela IBM em parceria com a NRF (National Retail Federation), os consumidores estão dispostos a pagar até 30% mais por produtos que entreguem: sustentabilidade, confiança, segurança, praticidade e agilidade.

A pandemia trouxe para a população uma forte reflexão sobre valores e aspectos da vida cotidiana, o que contribuiu muito para essas mudanças no perfil de compra. Segundo Cavalcanti, da MosaicLab, esse consumidor atende a um perfil chamado de Positive Consumer. Isso significa que eles são mais do que compradores. Ou seja, eles também se envolvem com a marca e com suas relações com a sociedade.

Fazendo um paralelo com as preferências de consumo dos nossos ancestrais, percebe-se que nos dias atuais estamos somente fazendo um resgate da história de velhos hábitos, baseados muito mais em instinto do que em informação. 

Já faz alguns anos que o setor produtivo da carne tem passado por um processo de mudanças estruturais intensas. Porém, com a pandemia essas mudanças tiveram que ser aceleradas para continuar atendendo não só o mercado doméstico como também as exportações. Como por exemplo:

  • Inovação em variedade de corte e embalagens para a realidade que a pandemia nos trouxe;

  • Aprender a contar a história do produto através de tecnologia de rastreabilidade e

  • Serviços de conveniência,

São algumas mudanças que já se consolidaram no mercado de consumo.

Esse consumidor, além dos fatores como bem-estar animal, sustentabilidade e confiança citados acima, possuem uma relação forte com a experiência de compra. Ele quer ter mais controle do processo de compra. E é aí que entra a tecnologia dos multicanais de venda. Grandes desafios nos esperam, não é?

Diante desse cenário desafiador a indústria e o varejo da carne precisam se adequar para entregar ao consumidor moderno transparência x confiança x custo benefício. Esses serão os itens de desempate na escolha de uma marca ou outra. Minha leitura é que esse caminho de transparência é sem volta.

Fica claro que temos grandes desafios pela frente. Um deles será enfrentar as opiniões (por vezes de cunho que beira o fanatismo) e tornar claro que podemos ser competitivos com menores impactos sobre o meio ambiente.

Pensem nisso, pois é o que estudiosos de comportamento de consumo vêm demonstrando em relação ao que é importante para o consumidor moderno no que se refere as proteínas animais.

null Zootecnista. Mestra em Agricultura Tropical. MBA em Gestão Empresarial pela FGV. Proprietária da CR Consultoria. Dedica-se a projetos voltados para marcas de carnes, implantação de açougues modernos para supermercados com diferenciação e agregação de valor. Maiores informações no site - crisrabaioli.com